Mykonos-70

voltar a introdução

voltar a Mykonos-69

   O irmão mais velho se aprumou, mediu as palavras e começou a dizer:
   – Cirilo, Sibele já tentou se matar outra vez, o que aconteceu é que desta vez ela conseguiu, a culpa não é sua, nem de ninguém, é só dela.
   Imediatamente o rapaz se acalmou, pensava que ele tinha feito alguma coisa que ocasionou aquela reação extrema. Percilio prosseguiu dizendo que Cirilo deveria dizer a todos que ele só viu Sibele entrando no mar, tentou chamá-la, mas ela não lhe deu atenção.
  Cirilo respondeu tristonho:
  – Isto não é verdade, ela caminhava calmamente na praia, quando eu falei algo que não consigo me lembrar, só aí ela começou a gritar e correu em direção ao mar.
  Neste momento, entrou Jonas acompanhado de Josias e Lêntulo. O pai irritado falou:
  – Todos estão esperando lá fora, vocês dois podem nos dizer o que está acontecendo aqui.
  Pericílio, com receio que Cirilo se atrapalhasse, disse:
  – Pai, Sibele está morta, ela se matou. Cirilo tentou impedi-la mas não conseguiu.
  Jonas, percebendo a gravidade da situação, decidiu adiar o anúncio da renúncia em prol do filho mais velho, pediu que Josias e Lêntulo voltassem para junto dos ansiosos moradores e dissessem que a reunião estava cancelada, pois Sibele acabara de se matar, atirando-se no mar.
  Assim que os dois homens saíram, Cirilo começou a chorar convulsivamente, dizendo que Percilio não tinha entendido nada, que a mulher se matou porque ele fez algo que provocou este gesto extremo.
  Percilio não conseguia compreender o que seu irmão estava querendo dizer, o que ele poderia ter dito que ocasionasse tal cenário. Neste momento, o rapaz ouve uma voz velha conhecida:
   – Filho, seu irmão não tem culpa de nada, Sibele se matou porque não suportou o peso de seus próprios atos.
  De olhos arregalados, Percilio encarou Cirilo e disse com firmeza:
   – Irmão, você pode parar de se culpar, Sibele se matou por minha culpa, eu nunca a tratei com carinho, quando ela soube que eu seria o novo líder da Comunidade, achou que eu a expulsaria daqui. Você disse a ela que nosso pai iria renunciar a meu favor, não disse?
   Lêntulo pensou um pouco e a frase que não conseguia se recordar, voltou a sua mente como um passe de mágica:
   – Sim, eu disse para que ela retornasse porque papai queria conversar com todos, principalmente ela que era diretamente interessada no que ele ia dizer, mas não disse que você seria o novo líder.
   – Pense comigo Cirilo, na cabeça de uma pessoa desiquilibrada que já tentou se matar, ela poderia entender que seria expulsa da Comunidade, pelo simples fato que eu não a suportava.
   Cirilo pareceu se acalmar e concluiu:
   – Está bem Percilio, você tem razão, agora que lembrei o que disse a ela, realmente não existiu motivo, o fato de ter dito que ela era diretamente interessada, era porque ela era sua sogra e sendo você o líder, teria interesse em te auxiliar no que fosse preciso.
   Dito isto, saiu sem olhar para trás, Cirilo percebeu que seu irmão parecia aéreo, com os olhos arregalados fitava a parede do cômodo onde estavam. Imaginou que seria melhor deixa-lo sozinho naquele momento.
   E foi providencial, Percilio estava em desdobramento, em contato direto com seu mentor de outras vidas, um médico. Os dois conversavam detalhadamente sobre os próximos passos. Não havia nenhum motivo para titubear, Sibele suicidou-se porque não conseguiu encarar de frente seus fantasmas. Vidas e vidas priorizando suas próprias necessidades a levaram a este ato tão deplorável. A partir do momento que deduziu que poderia ficar desabrigada, desesperou-se. Percilio ouvia a tudo atentamente, parecia que sonhava acordado tal o grau de realismo em que se encontrava, via e ouvia perfeitamente Doutor Brenus, o médico grego que iniciou Percilio nos mistérios do funcionamento do corpo humano. Entre outras coisas, o médico afirmou categoricamente que de agora em diante, ele, Percilio, seria não só o líder da Comunidade como também aquele que socorreria cada um nos momentos em a doença se fizesse presente.
   Assim que voltou ao seu estado normal, o rapaz fez uma breve oração pedindo que o Grande Deus o conduzisse. Saiu a procura de Jonas. Encontrou-o cercado de muitos moradores que discutiam a respeito de como seria o funeral de Sibele. Alguns achavam que ela deveria ser enterrada no local destinado a receber os despojos dos moradores da Comunidade, outros, insistiam que ela deveria ser levada para Semiris e entregue a Claudius, seu irmão.
  Assim que Percilio se aproximou, se fez um silêncio profundo. O rapaz percebendo o impasse, disse:
  – Quem decidirá onde Sibele deve ser enterrada será minha esposa Mirtes, sua única filha.
  Aquelas alturas, Mirtes já tinha sido informada do ocorrido, apesar da fraqueza por ter acabado de dar a luz, ela reagiu com naturalidade, no fundo, o que sentiu foi um grande alivio, parecia que uma pesada cruz havia sido retirada de seus ombros. Ao ouvir a afirmação do irmão, Mariane interrompeu, dizendo:
   – Mirtes acabou de me dizer que quer que ela seja levada para Lagos e entregue a Jairo, seu pai, ele ficará feliz em poder enterrá-la.
   Ao ouvir tal afirmação, Percilio imediatamente se dirigiu à caverna onde sua esposa descansava, ao entrar e vê-la amamentando a filha, uma emanação de amor invadiu seu corpo, observou a cena como se o mundo tivesse parado. Assim que Mirtes terminou de alimentar a filha, Percilio falou:
   – Mirtes, que história é essa de levar o corpo de sua mãe para Lagos e entregá-lo a seu pai, pelo que sei ele é desiquilibrado e maltratava vocês duas.
  A jovem abaixou a cabeça envergonhada, disse em um fio de voz:
  – Percilio, preciso lhe fazer uma revelação, toda aquela história foi inventada por minha mãe, meu pai é um bom homem, ele nunca nos maltratou nem mesmo quando a doença aparecia,  mas sempre trabalhou e nos tratava com carinho. Minha mãe ficou sabendo que Tio Claudius havia acolhido um rapaz mais ou menos da minha idade em sua casa, então inventou toda aquela mentira para que nos mudássemos para a casa da floresta e eu pudesse me casar com você e assim teria o futuro garantido. Ela detestava meu pai e dizia que com o dinheiro que ganhava plantando verduras no fundo do quintal jamais conseguiria dar a ela a vida que merecia.
  Percilio ouviu aturdido esta revelação absurda, quando colocou as ideias no lugar, disse:
  – Mas Claudius é tão pobre quanto seu pai, isto não faz sentido.
  Mirtes respirou fundo e prosseguiu:
  – É que nós sempre soubemos que você era filho do líder da Comunidade da Grande Pedra e que mais dia, menos dia, substituiria seu pai.
  Percilio se levantou furioso, deu um soco sobre a mesa de madeira que até os copos caíram no chão. Como assim? Ninguém sabia disso até o dia que recobrei a memória.
  Minha mãe sabia, não sei como descobriu, ela me disse que foi através de um sonho, mas desconfio que deve ter sido através de um vidente que morava em Lagos.
  – Isto agora não fará diferença, afinal sua mãe está morta. Respondeu Percilio secamente.
  Mirtes pediu perdão, disse que era muito menina e a ideia de casar-se lhe pareceu maravilhosa, ela também queria mudar de vida, não desejava se tornar mãe e escrava de um homem.
  – Como assim Mirtes, casar-se é sinônimo de ser mãe, a não ser que haja algum impedimento grave.
  – Querido, na minha cabeça, casar-se com alguém que tivesse uma posição melhor que a grande maioria dos rapazes que vivem nestas Comunidades, como foi o caso de Ingrid, esposa de Merriot, significa ter pessoas disponíveis para cuidar de nossos filhos. Disse Mirtes.
 – Então, foi por isso que concordou em separar-se de sua mãe e vir para cá e quando descobriu que eu não queria aceitar ser líder da Comunidade, resolveu partir e abandonar sua filha.
  Com lágrimas nos olhos, Mirtes concordou e acrescentou, quando o destino a colocou novamente no nosso caminho, eu respirei aliviada, com ela ao meu lado tudo seria mais fácil.
  Neste momento, Percilio titubeou, pensou até em desistir de aceitar o convite de seu pai, mas aquela voz que de vez em quando soprava em seus ouvidos, interpelou:
   – Você não pode voltar atrás na sua decisão, o futuro de muitos depende de sua firmeza.
 Percilio balançou a cabeça como se colocasse as ideias em ordem, falou:
   – Mirtes, eu aceitei me tornar o novo líder da Comunidade, mas desde já aviso, nada vai mudar em nossas vidas, a não ser que você terá que cuidar de Anita e Sibila pessoalmente, não vou permitir que minhas irmãs ou quem quer que seja faça este trabalho por você.
   Dito isso, virou as costas e saiu.

continuação…

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s