Mykonos-47

voltar a introdução

voltar a Mykonos-46

   Sara, tentando amenizar um pouco aquela revelação, disse:
   – Você tem certeza? Ela levou um susto, eu fui muito imprudente entrando em casa daquele jeito.
   – Sara, agradeço suas palavras, mas ela teve a primeira crise a dois anos atrás quando tinha treze anos, foi muito pior que esta, ela ficou três dias encolhida em um canto do quarto dizendo que os urubus estavam prestes a devorá-la, foi horrível, eu não sabia o que fazer, então chamei o curandeiro Ismar, que mora em Lagos, ele me disse que a doença de Jairo passou para Mirtes que eu devia me conformar, ela nunca se curaria.
   – Claudius já sabe? Perguntou Sara.
   – Sim, assim que ele nos convidou para morar com vocês, eu contei.
   – Ah! Então foi por isso que ele me disse que Mirtes precisava de muito carinho. Afirmou Sara.
   Com lágrimas nos olhos, Sibele agradeceu o acolhimento, mas disse que não poderia prosseguir morando com eles pois Mirtes havia lhe confessado que amava Nael e este também a amava e estava só esperando uma oportunidade para dizer a você e a meu irmão que gostaria de se casar com ela.
   Sara ficou pálida, via Nael como o menino que chegara em sua casa totalmente desmemoriado, que ela havia cuidado e recebido como filho, não tinha percebido que ele já era um homem, e fatalmente um dia, iria querer formar sua própria família.
   Sibele, percebendo que Sara ficara muda, completou:
   – Cunhada, não se preocupe, amanhã bem cedo, eu e Mirtes iremos embora, não diga nada a Claudius, nem a Nael. Assim que eles forem buscar matéria prima para os preparados, nós partiremos.
   Sem saber o que dizer, Sara pediu calma a Sibele e disse que não poderia deixar de conversar com o marido sobre o assunto. À noite, assim que todos foram dormir, Sara pediu para Claudius dar uma volta com ela pois precisava muito conversar com ele. Claudius achou normal, pois como a casa era muito pequena, desde que Nael veio morar com eles, toda vez que precisavam conversar a sós, saiam para dar um passeio.
   Assim que se afastaram da casa, Sara foi direto ao assunto, detalhou o que aconteceu a dois dias atrás e a seguir pediu sua opinião com relação ao estado de saúde da sobrinha. Claudius pensou um pouco e disse:
   – Antes de convidar minha irmã para morar conosco, fui procurar meu amigo Ismar, pois sabia que ele acompanhava o estado de saúde de Jairo, queria saber se ele realmente representava um perigo para vida de Sibele e Mirtes.
   Ele me respondeu afirmativamente e me confessou que tinha sérias desconfianças que Mirtes também tinha herdado a doença do pai, apesar dos sintomas serem diferentes, ela não fica agressiva mas tem episódios de perda do sentido da realidade.
   – O que aconteceu vem de encontro ao que Ismar me falou, ela perdeu o senso da realidade por um curto período, quem sabe ela está melhorando, da última vez, parece que ficou três dias totalmente alheia a tudo o que acontecia ao seu redor.
   Sara ficou um tempo em silêncio, pensando no que havia ouvido, a seguir disse:
   – Claudius você sabia que Nael pretende se casar com Mirtes?
   O velho alquimista, pego de surpresa, falou pausadamente:
   – Como assim? Casar? Eles são duas crianças!
   – Nael tem dezessete anos, a mesma idade que você se casou pela primeira vez. Disse Sara.
   – Você tem razão, como ele se tornou nosso filho já bem grande, perdi a noção do tempo, para mim ele ainda tem dez anos.
   – Claudius, Sibele me disse que vai embora daqui, acho que é por causa do problema de Mirtes, ela acha que os dois não deveriam se casar, como eu também acho. Afirmou Sara.
   – Grande Deus? O que devemos fazer? Respondeu Claudius enfático.  E prosseguiu:
   – Ela é minha sobrinha, tenho certeza que seria uma ótima esposa para Nael, mas este mal é muito traiçoeiro, e pelo que sei pode ser transmitido aos filhos, como aconteceu com Mirtes.
   Sara pensou um pouco, disse:
   – Não podemos simplesmente deixar que Sibele parta levando Mirtes, e como agora tenho certeza que Nael já é um homem, nada mais justo que contemos tudo a ele, vamos colocar a decisão em suas mãos, afinal é  a vida dele, não podemos esconder nada.
   Ficou decidido, que no dia seguinte bem cedo, fariam uma reunião de família e tudo seria colocado diante de Nael, para que este tomasse a decisão que mais lhe parecesse correta. Caso ele decidisse se casar com Mirtes, teria todo o apoio, caso contrário, Claudius providenciaria um local seguro para abrigar mãe e filha, pois Nael moraria com eles até quando desejasse e não seria conveniente que os dois prosseguissem morando sob o mesmo teto.
   Assim que amanheceu, Sara preparou o desjejum como de costume e pediu para que todos permanecessem em casa, pois ela e Claudius tinham um assunto muito importante a tratar. Nael estranhou, pois era a primeira vez que isto acontecia, Sibele pediu para Sara para não participar pois achava que nem ela, nem Mirtes, deveriam estar presentes, apenas Nael e o casal. Sara concordou, mas Mirtes protestou, disse que iam decidir a vida dela e fazia questão de estar presente, nisso Nael já desconfiou qual assunto seria tratado, chamou Mirtes para um lado e falou:
   – Você falou para todo mundo que eu gostaria de me casar com você?
   – Contei só para minha mãe e pelo visto ela já disse para todo mundo. Disse Mirtes irritada.
   Nael, muito envergonhado, saiu correndo, embrenhou-se na mata, sentindo-se como que um traidor. Ele tinha muitas dívidas para com aquela família e não queria que pensassem que ele queria ir embora e deixá-los. Claudius foi atrás do filho e o encontrou chorando e pedindo desculpas por tudo ter sido revelado de uma maneira tão ruim. O feiticeiro o acalmou, disse que ele não precisava se preocupar pois já era hora mesmo de se casar, mas que ele tinha algo muito sério para revelar. Ao ouvir isso, Nael parou de chorar e disse:
   – Pai, o que pode haver de mais sério do que eu não ter pedido permissão ao senhor para sequer pensar em me casar com Mirtes?
   Claudius o abraçou paternalmente, aquele menino era o presente mais especial que o Grande o Deus lhe deu a honra de receber, mas precisava colocá-lo à par do que estava acontecendo. Disse:
   – Nael, você é um rapaz maravilhoso e não deve ser preocupar em se desculpar por coisa alguma. O que tenho para lhe dizer, talvez mude o rumo dos acontecimentos, mas seja qual for a sua decisão, tenha certeza que seu pai e sua mãe estarão sempre do seu lado.
   O rapaz olhou temeroso para Claudius e aguardou que ele prosseguisse.
   – Como você sabe, o pai de Mirtes tem uma doença incurável, que faz com que tenha alucinações e fique muito agressivo. Isto, sem que ninguém saiba o momento que vai ocorrer a crise. Pois bem, minha sobrinha nasceu com a mesma doença de seu pai.
   Nael custou a compreender as palavras que acabara de ouvir, meditou um pouco e perguntou:
   – Mas como pode ser isso? Mirtes mora conosco a mais de três meses e eu nunca vi nenhuma crise, pelo contrário, ela é sensata e tranquila.
  Claudius, como que buscando as palavras adequadas, disse:
   – Filho, outro dia ela teve uma crise enquanto nós trabalhávamos na mata. Sua mãe ficou muito assustada e quando conversou com minha irmã recebeu a confirmação que aliás eu já sabia e não havia comentado com Sara.

continuação….

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s