Mykonos-62

voltar a introdução

voltar a Mykonos-61

  Jonas levantou-se rapidamente e saiu acompanhado do filho, deixando Mirla apreensiva com o que o futuro reservava ao seu irmão e sua família. Quatro homens foram recrutados pelo líder da Comunidade para acompanhar Percilio até Semiris. Um deles foi Rafael, o marido de Ana e pai da pequena menina que tanto impressionou o nosso amigo. Foram duas horas de caminhada ininterrupta. Assim que chegaram, o velho médico veio ao encontro do grupo pois já estava ficando preocupado com a demora de Percilio em retornar, dentro de poucas horas a embarcação que o levaria ao encontro de sua família, partiria. Depois de muitos anos de trabalho duro esta seria a primeira vez que retornaria à cidade onde estudou medicina e onde residiam grande parte de seus familiares, por isso não haveria possibilidade de postergar a partida.
  Percilio desculpou-se pela demora, pois ficou constrangido por ter segurado o médico por tanto tempo no pequeno hospital à sua espera. Em seguida, perguntou pela saúde da esposa e da filha. Dr. Alecsander, demonstrando calma, pediu que Percilio o acompanhasse enquanto os homens aguardavam do lado de fora. Assim que entraram na ante sala que precedia o galpão onde os enfermos eram atendidos, o médico pediu que o rapaz se sentasse porque precisava conversar muito com ele. Começou dizendo:
  – Sua filha está bem, fiz uma tala pequena e fixei o braço quebrado. O transporte deverá ser muito cuidadoso, ela deverá ficar o tempo todo deitada com o braço em repouso, eu sei que será difícil pois é uma criança muito ativa, mas não há outra maneira do braço solidificar no local correto. Com relação a sua esposa, ela ainda não sabe que está grávida, você deverá dizer, mas faça isso apenas quando chegarem à “Grande Pedra”.
  Percilio ouviu as recomendações do velho médico em silêncio, assim que percebeu que havia terminado, exclamou:
  – Doutor, Mirtes é muito instável emocionalmente, sinto-me culpado por tê-la trazido quase que obrigada, o senhor acha que ela aceitará com tranquilidade o fato de estar esperando outro filho?
   Dr. Alecsander pensou um pouco e respondeu:
  – Meu filho, eu não sei, temo pelo futuro deste bebê, pois se ela o rejeitar, a possibilidade de abortar será muito grande. Nestas horas que você se ausentou, sua esposa deu mostras claras que não vive o melhor período de sua vida. Se eu fosse você deixaria para me preocupar apenas após chegar ao seu destino.
   Na verdade, o que Mirtes fez durante a ausência do marido, passa longe da fala tranquila do Dr.Alexander, que ela passa apenas por um período de vida difícil. Assim que se viu sozinha, pensou que Percilio a havia abandonado. Exigiu uma explicação do médico que rapidamente relatou o que havia acontecido, trazendo Sibila para junto dela, mas algo lhe chamou a atenção, após um beijo no rosto da menina, disse que não tinha paciência para cuidar de crianças e pediu que a atendente a levasse para bem longe, mesmo porque, nunca havia cuidado de uma menina com o braço quebrado.
   Finda as explicações, Dr. Alecsander se despediu desejando boa sorte para a família no novo lar. Assim que Mirtes percebeu a presença de Percilio, começou a choramingar, dizendo:
   – Você é um ingrato, como ousa partir sem me dizer nada, deixando que este médico intrometido me desse as explicações. Como sempre, pensa em Sibila em primeiro lugar, nem se incomodou em esperar que eu acordasse para me tranquilizar. Pensei que tivesse me abandonado.
   Percilio mal teve tempo de abrir a boca, se não fosse firme, Mirtes não pararia de se lamentar. Ele lançou um olhar fulminante para a esposa ao mesmo tempo que endurecia as feições, e disse:
   – Mirtes, você foi muito bem cuidada, pare com esta atitude de criança, temos que partir imediatamente, caso contrário, seremos castigados pelo sol do início da tarde.
   Ela silenciou e disse:
   – Está bem, conversaremos depois.
   A viagem de volta foi muito difícil, Sibila insistia em se movimentar, os homens que carregavam a amarra tiveram que parar diversas vezes para que o corpo da menina fosse colocado da maneira correta. Mirtes seguiu em silencio, os enjoos haviam passado com os remédios ministrados por Dr. Alecsander, mas por algum motivo que ela desconhecia, mal conseguia olhar para a filha, parecia que de repente um profundo sentimento de rejeição havia invadido sua mente. Pensou que pudesse ser o distanciamento da mãe que sempre lhe dizia que devia cuidar muito bem da menina, porque assim, teria Nael para sempre ao seu lado. Pensou:
   – Acho que ele foi tão ríspido comigo estes últimos dias, que nem sei se ainda o quero como marido.
   Chegaram no final do manhã, Jonas os aguardava impaciente, voltou mais cedo da plantação para que pudesse recepcionar a nova família que de agora em diante faria parte da Comunidade da Grande Pedra. Assim que viu o grupo se aproximando, notou que a nora caminhava com dificuldade, foi ao seu encontro para auxilia-la. Percilio percebendo a intenção do pai e temendo que Mirtes o recebesse com seu usual mal humor, pediu que Rafael se adiantasse e pedisse que Jonas o aguardassem onde estava que ele queria lhe fazer uma surpresa.
  Jonas parou imediatamente e aguardou ao lado de Rafael que não estava entendendo nada. Assim que se aproximaram o suficiente, Percilio falou:
  – Papai, aqui estamos nós! Eu gostaria que o senhor abraçasse sua neta Sibila!
  O líder da Comunidade, com os olhos marejados de lágrimas, olhou aquele corpinho indefeso estendido na amarra, pousou a mão direita sobre os cabelinhos desalinhados e lhe deu um beijo na testa. Quase que ao mesmo tempo, a menina estendeu o bracinho são e enlaçou o pescoço do avô. Foi um momento de puro enlevo, onde avô e neta se fundiram em um só sentimento de profundo amor e harmonia.
  Mirtes, parada ao lado do marido, permaneceu calada, esperando que fosse apresentada ao sogro, que aliás, achou ainda jovem e ágil, apesar dos cabelos brancos e as feições marcadas pelo trabalho árduo.
  Assim que o avô se recompôs, Percilio olhou para o pai e disse, apontando para Mirtes:
  – Esta é minha esposa Mirtes que carrega em seu ventre nosso segundo filho, que tenho certeza, será uma outra menina, tão linda quando esta!
  Olhou com um carinho indescritível para Sibila.
  Todo o grupo ficou paralisado, ninguém ousou dizer nenhuma palavra, apenas Jonas, sentindo que era dele a palavra, disse:
  – Parabéns minha nora, fico muito feliz pela notícia!!
  Deu um passo em direção a Mirtes, mas esta, ainda confusa, retrucou apenas:
  – Obrigada!
 Se esquivando de qualquer contato físico com o sogro que se preparava para dar-lhe um abraço. O mal-estar foi evidente, mas Percilio já prevendo este desfecho disse:
  – Papai, desculpe minha esposa, ela também não sabia que estava grávida.
  A partir daí, o desconforto acabou, todos se abraçaram, agradecendo ao Grande Deus pela dádiva de um novo bebê ser recebido na Grande Pedra. Mirtes, também achou por bem silenciar-se, apesar de ter ficado muito magoada com o marido, deixou para destilar seu fel em uma conversa futura.

continuação…

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s