Mykonos-61

voltar a introdução

voltar a Mykonos-60

   A menina correu para a mãe, pegou o buquê que estava dentro do cesto que Ana carregava e ofereceu-o para Percilio. Este balançou a cabeça em agradecimento, mas ao olhar para as flores multicoloridas, teve a impressão que surgia a imagem de uma jovem sorridente que lhe entregava um outro buquê de madressilvas. Esta visão durou uma fração de segundos, mas o suficiente para que Percilio ficasse muito intrigado com o fato. Assim que se refez do pequeno susto, perguntou para Mirla onde Jonas estava. Com esta recepção tão calorosa acabara se esquecendo momentaneamente o que o trazia sozinho para a Grande Pedra.
  Só neste momento Mirla se deu conta que seu irmão tinha chegado sozinho, pois Jonas havia avisado a todos que Percilio chegaria acompanhado da esposa e da filha. Respondeu rapidamente:
  – Papai está na plantação, mas não tarda a chegar, venha tomar um chá conosco que logo ele estará aqui.
  Mirla se dirigiu a caverna que a tempos atrás era ocupada por Fernando e Atílio, Percilio subiu as escadarias pensativo, relembrava a época de criança, quando subia e descia aqueles degraus como se eles fossem parte de um parque de diversões particular. Ele e Cirilo se deliciavam em escorregar pelas pedras lisinhas, moldadas pelo tempo. Assim que venceu o último degrau e se viu de frente com a entrada da caverna que fora ocupada por seu irmão Joninho e sua família, Percilio sentiu um arrepio percorrer sua espinha, parou um instante e perguntou:
  – Mirla, Laurinha ainda mora nesta caverna?
  A irmã respondeu que não, desde a morte de Joninho ninguém a ocupou novamente, primeiro porque Laurinha não permite, pois acha que é propriedade sua, e depois, porque dizem que ela é mal-assombrada.
  Percilio, entrou na caverna da irmã, lembrou-se da época que seu tio Atílio partiu para nunca mais voltar, balançou a cabeça e disse:
  – Irmã, você não tem receio de morar ao lado da caverna de Joninho? Quando você era criança tinha muito medo daqueles que já morreram!
  Mirla pensou um pouco, pois havia se acostumado com este assunto sem compartilhar com ninguém, agora, se sentia desconfortável por Percilio revivê-lo de uma maneira tão direta, mas mesmo assim decidiu ser sincera.
   – Depois que você foi embora eu nunca mais conversei sobre isso com ninguém, nem mesmo com papai. Albertinho, às vezes, me conta algumas situações na qual ele vê vovô, Tio Alberto, Terêncio e até Tânia. Eu ouço e me calo, pois só você conseguia me deixar tranquila quando isto acontecia comigo, tento ser esta pessoa para Albertinho, não alimentando o medo, mas também não levantando suposições, como você fazia.
  – Por acaso você já viu Joninho? Insistiu Percilio.
  – Sim. Respondeu Mirla afirmativamente.
  Sentindo ter sido inconveniente, Percilio disse apenas:
  – Mirla, provavelmente eu, Mirtes e nossa filha ocuparemos esta caverna, pois não há nenhuma outra desocupada, portanto, gostaria muito que você me dissesse quando visualizasse Joninho, Terêncio ou Tânia, eu sei que os espíritos daqueles que já morreram só ficam em suas antigas casas quando há algo lá que o atraia. Eu preciso descobrir o que é porque senão eles não nos darão sossego.
  – Lucas, eu posso te chamar assim quando estivermos só nós dois? Isto me deixa mais tranquila, me faz recordar as inúmeras vezes que você me abraçou e disse palavras de conforto no meu ouvido.
  Percilio se emocionou ao ouvir isto, apesar de Mirla ser muito mais velha que ele, assim que se tornou um molecote já se colocava no lugar de conselheiro e protetor da irmã. Disse com muito carinho:
  – É claro Mirla, mas só quando estivermos sozinhos, Percilio é a comunhão de Lucas e Naim e será ele que voltará a morar aqui, mas você ainda não me respondeu se caso você volte a vê-los me dirá.
  Mirla, visivelmente desconfortável, disse:
  – Lucas, é claro que eu te direi, mas desista de vir morar nesta caverna, ela não te trará boa sorte, sua vida e de sua família se tornará um tormento, e não por causa de quem já morreu, pois estes, apesar de serem assustadores não nos fazem mal. Laurinha e Luizinha não te darão sossego, isto, se nossa cunhada permitir que você a ocupe.
   Percilio pensou um pouco e disse:
   – Papai me disse que gostaria que eu me tornasse o novo líder da Comunidade, a princípio, achei a ideia descabida, mas agora, com a recepção de Laurinha, tenho certeza que preciso proteger toda a família, é impossível todos serem unidos e felizes enquanto nossa cunhada assim se comportar, preciso demover este ódio infundado de seu coração.
  Mirla suspirou aliviada, mesmo temendo pelo futuro. Disse:
  – Lucas, fico orgulhosa de você, mas acho que é quase impossível você conseguir que nossa cunhada se torne parte integrante da Comunidade, desejando que todos progridam, mesmo porque ela não está sozinha, depois do enterro de nossa mãe, Luizinha me chamou e disse que ela e seus pais não concordam que você volte a morar aqui, elas acreditam que você não voltou de propósito para que Joninho se sentisse culpado pelo seu desaparecimento. Apenas Laercio não concorda com a opinião da família.
  Neste momento, a conversa é interrompida, Jonas entra esbaforido, abraça longamente o filho e dispara várias perguntas ao mesmo tempo:
   – O que aconteceu? Cadê sua esposa e sua filha? Você desistiu de mudar para a Grande Pedra?
   Percilio convidou o pai para que sentasse ao seu lado, falou:
   – Aconteceu um acidente, Sibila caiu da rede quando estávamos em Semiris aguardando que Dr. Alexander cuidasse de Mirtes que não se sentia bem, e quebrou o braço. Vim sozinho porque ela não poderá chegar aqui se não for transportada com todo o cuidado em uma amarra, sob o risco do braço ficar definitivamente torto. Preciso de ajuda.
   Jonas suspirou aliviado, assim que chegou e ficou sabendo que o filho havia chegado sozinho, mil pensamentos invadiram sua mente e o que mais lhe pareceu obvio foi de que ele havia desistido de voltar a morar na Grande Pedra, pois, com certeza, não abandonaria a família, ainda mais que tinha uma filha ainda bebê. Esta hipótese jamais lhe passou pela cabeça, apesar da neta ter se ferido, os planos de passar a liderança da Comunidade para o filho ainda estavam de pé. Ele sabia que a negativa de Percilio não se sustentaria, ele já estava velho e cansado, tanto Cirilo como Lêntulo não demonstravam nenhuma aptidão para serem líderes.
  Jonas fez menção em responder ao apelo do filho, mas Percilio o interrompeu dizendo:
  – Papai não temos um minuto a perder, logo vai escurecer e se não partirmos logo não chegaremos a tempo de encontrar Dr. Alecsander em Semiris, ele me disse que partirá para Atenas nas primeiras horas da manhã. Preciso de sua orientação de como cuidar de Sibila e se Mirtes tem algum problema mais sério.

continuação…

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s