Mykonos-42

voltar a introdução

voltar a Mykonos-41

   Eles caminharam um pouco e se sentaram em uma clareira na mata. Jonas falou:
   – Eu e Atílio precisamos comunicar a vocês que daqui a pouco ele partirá rumo a algum lugar da Grécia ou mesmo da Itália, depende da embarcação que estiver disponível no porto de Semiris. Rubens se assustou, ele reafirmou a promessa que fizeram ao velho Messias, que não iam se separar. Jonas retrucou:
   – Infelizmente precisamos quebrar a promessa, nosso irmão corre perigo na comunidade, mas não vem ao caso vocês saberem, gostaria apenas que entendessem e apoiassem.
   Josias, ponderado como sempre, disse:
   – Claro que entendemos e apoiamos, eu até desconfio que tipo de perigo, aposto que Joninho tem a ver com isso.
   Jonas disse que sim e encerrou o assunto para que não houvesse maiores especulações. O que Josias pensava era que Atílio tinha se desentendido com o sobrinho e talvez tivesse sido ameaçado, por isso não fez mais nenhuma pergunta a respeito.
    – Preciso contar mais uma coisa para vocês.
    – Fernando, Minelo e Rosana também partirão com Atílio.
    Josias retrucou:
    – Fernando e Minelo até entendo, pois os dois vivem às turras com Joninho, mas o que uma jovem vai fazer com três marmanjos?
    Jonas já sabia exatamente o que tinha que dizer, para colocar uma pedra no assunto.
    – Ontem à noite Rosana me procurou dizendo que queria partir com eles, eu concordei, porque cada um tem a liberdade de sair da comunidade no momento que quiser e ela já é adulta.
   – Com certeza ela tem um caso com um dos três. Concluiu Rubens.
   – Pode ser… Disse Jonas reticente.
   Neste momento, Atílio encarou os irmãos e disse:
   – É comigo, eu a amo e vamos nos casar, mas gostaria que vocês dois guardassem segredo, à partir do momento que deixamos a Grande Pedra, minha vida não diz respeito a mais ninguém.
   Josias e Rubens concordaram em guardar segredo e ficaram sinceramente felizes pelo irmão. Assim que os quatro irmãos se juntaram ao restante do grupo, foi só comemoração, pois todos que lá estavam já sabiam o que iria acontecer dali a algumas horas. Rosana ficou emocionada com a alegria geral e pela primeira vez Atílio e Rosana se abraçaram e se beijaram à vista dos amigos. Ficou combinado que seria ministrada uma pequena cerimônia de casamento em Semiris conduzida por Rafael, tendo como padrinhos Jonas e Maila.
   Assim que chegaram a pequena vila, os irmãos foram procurar Merriot, o comprador das mercadorias que trouxeram. Acabada a negociação, Jonas o colocou à par da urgência que tinham de realizar a cerimônia de casamento e pediu que ele cedesse um local simples para que eles utilizassem por algumas horas. Como sempre, o francês foi muito gentil, disse que fazia questão que fosse em sua própria casa. Assim Merriot e a esposa Margot foram os padrinhos da noiva.
   O dia estava muito agradável, o céu limpo sem sinal de qualquer mudança no tempo. Sinal que o que estava por vir carregava a concordância do Grande Deus afirmou Ana. Terminada a cerimônia, todos partiram em direção ao porto para encontrar uma embarcação que levaria os três amigos e a noiva radiante para uma nova vida. O local onde as embarcações aportavam estava vazio, não havia nenhuma disponível para zarpar. Novamente Merriot ofereceu ajuda. Disse que todos poderiam pernoitar em sua casa e que reservaria um local especial para que os noivos pudessem passar a noite de núpcias. Uma embarcação com destino a ilha Grega de Creta chegaria na manhã seguinte.
   Jonas disse que não poderiam esperar os amigos partirem, pois Joninho os aguardava, caso se atrasassem ficaria muito aborrecido. As despedidas foram muito dolorosas, Ana e Rosana choraram muito e prometeram se reencontrar em um futuro próximo. Algo que realmente aconteceu, mas em uma nova vida, também na Grécia. Atílio se despediu demoradamente dos irmãos, o fato de ser o caçula sempre despertou muitos cuidados dos irmãos mais velhos que durante toda sua vida sempre o mimaram, neste momento todos ficaram muito emocionados. Rafael e Fernando trocaram um longo abraço, apenas Minelo pareceu alheio a emoção que envolvia todos os amigos. Finda as despedidas, o grupo de seis pessoas se colocou à caminho da Grande Pedra, ainda tinham muito que conversar, para que as desculpas que dariam a Joninho parecessem convincentes. Ana sugeriu que se deixasse em suspense quem seria o pretendente que conseguiu convencer Rosana a partir. É claro que todos pensariam que era Fernando, pois os dois eram grandes amigos. Josias perguntou porque tanto segredo, afinal Atilio era solteiro e poderia se casar com quem quisesse. Foi Jonas que respondeu sem pestanejar:
   – Foi Rosana que assim quis e precisamos acatar sua vontade.
   Josias concordou e não mais se tocou no assunto. Oficialmente ninguém sabia porque Rosana decidiu ir junto, nem mesmo Ana e Rafael. Assim que chegaram a Grande Pedra todos estranharam a falta dos quatro amigos, mas ninguém ousou perguntar nada, pois sabiam que alguma coisa tinha acontecido e Joninho sempre fazia questão que ele próprio fosse sempre o primeiro a ser informado de qualquer notícia fora da rotina da comunidade. Jonas e Maila foram direto para sua caverna, não demorou muito para que o filho mais velho procurasse o pai em busca de explicações. Laura tinha avistado do alto da Grande Pedra o grupo retornando e tinha lhe dito que Atílio, Fernando, Minelo e Rosana não tinham voltado.
   – Pode começar a falar, o que aconteceu com os quatro? Disse Joninho, prestes a agredir Jonas.
   Maila se interpôs entre Jonas e o filho rebelde, disse segura:
   – Não fale com seu pai deste jeito! Ele te dará todas as explicações, mas fique sabendo que ele não é responsável pela decisão de ninguém, são todos livres e donos de suas vidas.
   Joninho olhou para mãe, como se seus olhos fossem saltar das orbitas, disse:
   – Então eles debandaram, aqueles traidores!
   Jonas se levantou em um tranco, falou:
   – Nenhum deles é um traidor, eles foram em busca de trabalho em um lugar onde serão tratados com mais humanidade.
   – Aqueles três viviam me dando aborrecimento, espero que não voltem  mais, porque nunca mais serão recebidos na Grande Pedra. E Rosana? O que aconteceu? Ela não tinha nenhum motivo para deixar a comunidade, pelo que sei se dava muito bem com Ana e Rafael.
   Um momento de silêncio, e o próprio Joninho concluiu:
   – Só pode estar enrabichada por um dos três. Mas qual?
   Jonas, mantendo a calma respondeu:
   – Não sei e não quero saber, para mim não faz a menor diferença.
   Joninho concordou e saiu sem ao menos olhar para traz.
   Maila sentou-se aliviada, se ele não fez mais nenhuma pergunta é porque já estava satisfeito com o que tinha ouvido.
   Ao chegar em sua caverna, Joninho encontrou a esposa aflita para saber o que tinha acontecido com Atílio, mas perguntou como quem não tinha nenhum interesse:
   – E aí? Caíram no mar e morreram afogados?
   – Bem que poderia ser isso. Respondeu Joninho sarcástico. Mas eles partiram em busca de trabalho sei lá aonde.
   Laura sentiu que suas forças a abandonavam, quase teve um desmaio, mas sentou-se e assim que se recuperou disse:
   – Mas Atílio deixou os três irmãos, que estranho…
   – Ultimamente ele vinha tendo muitos problemas de saúde, acho que foi isso, resolveu morrer longe daqui. Respondeu o marido.
   Só agora Laura se deu conta que Rosana tinha ficado com eles. Porque será? Nunca tinha ouvido falar que tinha se indisposto com Ana ou Rafael. Perguntou reticente:
   – Seu pai falou alguma coisa sobre o motivo de Rosana ter ido junto?
   Joninho creditou a curiosidade da esposa ao fato de ser muito intrometida, sempre quis saber da vida de todo mundo. Disse:
   – Você pare de fazer tanta pergunta, para mim tanto faz se ela correu atrás de Fernando ou de Minelo. O que importa é que me livrei daqueles dois encrenqueiros.
   Mesmo com a posição arguta do marido, Laura prosseguiu:
   – Ela não pode estar apaixonada por Atílio?
   – É claro que não! Aquele está morre não morre. Até meu pai teve que socorrê-lo.
   Em vista desta colocação, Laura sossegou, depois daquele dia, viveu na esperança de que no futuro seu grande amor voltasse para buscá-la, isto jamais aconteceu. Ela desencarnou idosa, com o fel da amargura corroendo suas entranhas.

continuação…

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s