Frutinha Selvagem

O gafanhoto
Com suas perninhas
Desengonçadas
Pousou no vaso da vovó

A criançada no quintal
Armou um grande alvoroço
Muitos olhinhos matreiros
Observando a Criação de Deus

Teteu não se conteve
Gritou bem alto
Vovó vem ver!

Na cozinha
Vó Tina lavava a louça
E como sempre
Saiu correndo
Para atender os netinhos

De repente
Se sentiu conduzida
Por várias mãozinhas
Que se revezavam para levá-la
Até o vaso de azaléas

Observando com atenção
Algo atingiu direto
O coração da vovó

Lembrou-se de sua infância
O quanto aquele inseto
Que mais parecia ter sido
Esculpido por mãos habilidosas
Despertava sua curiosidade

Mas hoje
Cercada da criançada
Pensou alto
Obrigada Deus!!

As crianças se calaram
Buscando em suas memórias
Um motivo
Daquele agradecimento

Ninguém sabia
Mas imaginavam…
Criança é um espirito eterno
E guarda lembranças
De toda Criação

Enxugando
Uma lágrima furtiva
Vó Tina
Explicou

Todo o jardim
As flores
As árvores
Os bichinhos
Tudo presente
De Deus!

Ninguém pode
Arrancar uma folhinha
Nem assustar
O gafanhoto

Este bichinho
Tão perfeito
Pousou no vaso da vovó

Para lembrar
As crianças
Que Deus
Presenteia
Os meninos

Com bichinhos
Com frutinhas selvagens
Que enfeitam
A Natureza

Com passarinhos
Multicoloridos
E florezinhas
Perfumadas

Para que eles
Nunca se esqueçam
Que são especiais!!

Cada um de vocês
É um guardião
Deste presente

Até ficarem
Velhinhos
E ensinarem
Seus netinhos

Poeta Estelar
by Elza Horai

Esplendorosa Natureza

Certamente não se tem ideia do valor que cada minúsculo beija flor mantém guardado na energia que circunda seu corpinho ligeiro, não se atenta para o poder curativo que se esconde atrás de uma simples folhinha. Nessa Natureza que se apresenta perfeita originariamente, mas que hoje se mostra borrada com tanta destruição, está o segredo que o homem terreno busca desvendar sem chegar a nenhuma conclusão: – Quem sou eu? De onde eu vim? Para onde irei?
Basta um instante de silêncio que a alma se desprende, caminhando ou volitando, em busca de seus semelhantes. Em um primeiro momento pensa-se em pares que deixaram marcas enquanto amigo ou familiar cumprindo as designações da vida terrena, mas não são apenas estes pares que a alma em desprendimento se sintoniza.
Todo o espectro da Natureza vibra em consonância com qualquer energia transvertida em um espírito encarnado ou não. É por este motivo que ao se deparar cercado de árvores, flores, frutos, sons,  o homem terreno se sente em paz, em perfeito equilíbrio. Quando por algum motivo passa por um problema de saúde, é só buscar a erva que vai devolver o vigor momentaneamente perdido. E como esta mágica acontece? Energia equilibra energia, falta um pouco aqui, repõe-se de onde tem para ceder. Um punhadinho de ervas tem muito mais energia do que se pode imaginar. Ela cede sem reclamar, oferece com toda a gentileza para equilibrar um membro de sua irmandade. Não se iludam com as explicações dos “entendidos”, que este aquele princípio ativo atuou onde a doença estava aborrecendo. Nada disso! A energia da erva equilibrou o espírito que por sua vez refletiu no corpo, o último estágio da cura.
Agora responderemos as grandes questões:
– Somos feixes de energia, viemos da Luz e para lá voltaremos.
Amigo da Luz
Membro da Plêiade do Amor Universal
by Elza Horai
Imagem de apresentação do post maxpixel.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s