Sonhando Acordado

Que Alegria
Ver-se
Rodeado de Luzzz

Gritando
Aos quatro ventos
Que é feliz!

Tentando flutuar
Rumo ao desconhecido
Sem medo
Do que encontrará

Pairando
Sobre o oceano
Vislumbrando
Paisagens estonteantes

Carregando
No coração
A certeza
Que é Deus!

Que benção
Poder acreditar
Que cada um
É seu irmão em essência

Quanta alegria
Em saber
Que o destino final
É magia

Sem rótulos
Sem mágoas
Sem dinheiro
Sem competição

Tudo… tudo…
Equilíbrio
Paz
Reconforto

Nada disso
É sonho
Meus amigos!

Sejamos lúcidos
Pelo menos
Uma vez

Nos curvemos
Diante da grandeza
Do Universo
Que nos acolhe

Com o coração
Cheio de gratidão

O Amor estampado
Na face

Os braços abertos
Prestes
A envolver
O TODO

Neste momento
Sua vibração
Se alinhará
A frequência da Luzz

E o sonho
Virará realidade
Tudo se transformará!!

O Amor pairará
No seu coração
A sincronicidade
Ditará os acontecimentos

E quando
Menos esperar…
Olhará para o Alto

E flutuará
Rumo ao desconhecido
Muito conhecido

Visitado
Inúmeras vezes
Quando a sua mente

Acreditou
Que sua essência
É Energia

E pode tudo!!
Até mesmo
Atravessar a barreira

Que separa
A Terra
Do Infinito Bendito!

Poeta Estelar
by Elza Horai
poesiaeluz.com

Infinito que Acolhe

Sentado na cadeira de balanço, em uma tarde de outono, abrigado do sol pelas telhas da varanda, o velho comendador pensa alto:
-Que céu azul!  O que haverá escondido atrás da linha do horizonte?
Um sorriso maroto modela seus lábios e a resposta vem como uma flecha ligeira.
– Só pode ser o lugar para onde eu vou, assim que a doença derrubar meu corpo!
Ao seu lado, o mentor Teodoro complementa.
– Mas por que esperar tanto, se pode fechar os olhos e se transportar até lá?
Soltando um alto pigarro, o comendador se sentiu, de repente, muito desconfortável, estava sozinho e teve a nítida impressão que alguém disse algo baixinho em seus ouvidos.
Vociferou bem irritado:
– Quem quer que seja, apareça!! Você está atrapalhando meus pensamentos!
O paciente mentor, já acostumado com os achaques de ira do combalido senhor, repetiu pausadamente.
– Vamos lá, feche os olhos, se concentre, você não quer saber o que tem neste lugar que você chama de infinito?
Desta vez o comendador entendeu o recado, mas mesmo assim colocou seu mau humor adiante da gentileza, disse:
– Não sei quem você é, e nem quero saber, só vou fazer o que me disse porque se por acaso eu descobrir para onde irei depois que esta malfadada doença me vencer, já vou saber se preciso levar alguma coisa…
E sem dizer mais nada, fechou os olhos, respirou fundo e aguardou…. aguardou…. e absolutamente nada aconteceu, só que passados uns dez minutos, caiu em um sono profundo, dormiu até o final da tarde. Quando acordou, sentiu a cabeça meio atrapalhada, o suor cobrindo todo o corpo, o coração acelerado.
Começou a gritar compulsivamente.
– Chegou a hora, a batalha acabou, estou indo…
Foi uma correria só, os filhos acudindo, as noras aplaudindo, os netos indiferentes. E o mentor Teodoro achando graça de tudo aquilo.
Chegou o Doutor que afirmou taxativo.
– Comendador, o Senhor está ótimo, a doença regrediu!
Surpresa geral.
– O que pode ter acontecido? Perguntou Antônio,  filho mais velho.
– O mês passado ele estava com o pé na cova, e hoje, depois dessa presepada toda, está ótimo! Completou João, o filho do meio.
– Não estou entendendo mais nada!
José, o filho caçula, tentando esclarecer aos irmãos, retrucou:
– Papai é forte como um touro, eu tinha certeza que um tumorzinho não ia tirar-lhe a vida.
Nestas alturas, o médico já tinha se retirado e o comendador nem ouvia os comentários dos filhos, tão absorto em suas reflexões, pensava:
– Só pode ter sido aquele lugar, eu não me lembro de nada, mas acho que lá é um hospital.
Desta vez, o mentor Teodoro se fez visível para o comendador, que levou um baita susto, começou a gritar.
– Quem é você? O que quer comigo?
Na ausência de qualquer estranho, os filhos acharam que o pai havia surtado, afinal, a quem ele se referia?
Com a calma típica dos espíritos evoluídos, mentor Teodoro disse apenas:
– Sou seu mentor, eu quero apenas conversar com você.
– Então desembucha! Rosnou o comendador.
Após um longo minuto, o mentor disse:
– Sua vida terrena continua porque ainda precisa aprender a servir.
– Como assim? Servir a quem? Perguntou esbaforido o ex-doente.
– Ora, servir a sua família, agora não tem mais desculpa.
Muito contrariado, o comendador despejou:
– Como assim? Meus filhos são uns inúteis, minhas noras aproveitadoras, meus netos estão em outro planeta, só pensam em se divertir. Tenho certeza que está enganado!
– Não há nenhum engano, reafirmou o mentor.
– O senhor não vai morrer tão já porque todos precisam do senhor para aprenderem a amar.
Neste momento, o filho mais velho interferiu, dizendo com todas as letras.
– Papai, para com isso, senão vamos te internar em um manicômio.
O comendador meio atordoado, levantou-se da cama, olhou firmemente para cada filho, cada nora, cada neto. Disse calmamente.
– Não, enquanto não aprenderem a me amar, depois façam o que quiserem.
Moral da história: Deus sempre dá um jeito quando o assunto é AMOR.
Amigo da Luz
Membro da Plêiade do Amor Universal
by Elza Horai
Imagem de apresentação do post max pixel

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s