Se Melhorar

Quando éramos crianças
Ouvíamos
Mamãe dizer

Você precisa melhorar
Está muito malcriado
Muito bagunceiro
Muito briguento

E nós ouvíamos
E não entendíamos direito
Afinal
As crianças costumam
Fazer malcriações
E seguir em frente

Com o tempo
O entendimento
Do que é certo
Do que é errado
Vai se solidificando

E… alguns anos depois
Vemos a criança
Que dava tanto motivo
Para levar umas broncas

Se transformando
Em um adulto
Centrado
Correto
Cumpridor de seus deveres

Mas… por outro lado,
É muito comum
Nos depararmos
Com homens terrenos
Que na infância
Na adolescência
Na juventude
Na vida adulta

Comportam-se
Como verdadeiras crianças
Se negam a estudar
Tem horror a trabalhar
Choram pelos cantos
Se qualificam
Como injustiçados

Então, por quê será?
Todos tiveram
Oportunidades idênticas
De aprender o que é certo

Mesmas broncas
Mesmos conselhos
Mesmos castigos

Uns retiveram
O traçado correto
Outros descartaram
Todos os ensinamentos

Ora, depende
Do grau de disposição
De chegar mais cedo
A Casa Encantada
Onde nosso Pai
Nos aguarda de braços abertos!

Poeta Estelar
by Elza Horai


Aprender Ensinando

Já dizia o sábio de outrora que o aprendizado é feito através de ensejos de amor que irrompem as camadas sutis e bombardeiam as mentes dispostas a conciliar as vidas materiais e espirituais. Sendo cada um responsável por suas quedas, não podemos qualificar tropeções como castigos ou algo que o valha, são sim, momentos onde a mente começa a dar créditos a conselhos dados por amigos e familiares, encarnados e desencarnados, como algo que deveria ter sido colocado em evidência.
Mas não é só isso, caso houvesse o bom senso de analisar desafios sob a ótica da ponderação, talvez o lamentar pela derrocada não existisse, se  o conhecimento adquirido, através do incentivo do Alto tivesse encontrado sólido acolhimento no espírito aprendiz, separar o que é certo do que é duvidoso, se tornaria uma tarefa fácil e prazerosa, e assim muitas etapas seriam vencidas sem que houvesse a necessidade de acionar um fio de arrependimento ou derramar lágrimas de tristeza.
O observador atento, consegue tirar lições preciosas do enfrentamento de outrem, basta formatar suas próprias conclusões, baseadas em parâmetros adquiridos ao longo de sua trajetória e concluir com seus botões: – Este caminho não é o meu! ou – Eu não faria desta maneira! E assim, o aprendiz relapso, vai recebendo suas notas por tarefas mal feitas, e aprendendo a ser mais eficiente no trato com o conhecimento renovador,  ao mesmo tempo que ensina espíritos dispostos a aprender sempre, independente de onde venham os ensinamentos.
Aimanon Constantinus Crione
Membro da Plêiade do Amor Universal

Imagem de apresentação deste post pixabay.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s