Mykonos-2

voltar a introdução
    Ao ouvir as palavras de seu irmão, Jonas sorriu aliviado. Completou:
    – Vocês não se arrependerão. Conseguiremos. Tenho certeza absoluta.
    As crianças lideradas por Jonas filho começaram a gritar em coro:
    – Vamos para Grécia!  Vamos para Grécia!
    Aos poucos as nuvens escuras que pairavam sobre a família foram se dissipando. Sendo substituídas por alegria e esperança.
    No íntimo, todos sabiam que não foi por acaso que o velho Messias exigiu a promessa que jamais se separariam. Neste momento os cinco irmãos se sentiam fortalecidos e prontos para enfrentar os desafios que com certeza viriam, mas o fato de permanecerem juntos era a certeza que jamais ficariam sozinhos.
    Foram dois dias de intensos preparativos. Jonas aconselhou a todos que levassem apenas o estritamente necessário, e assim foi feito, a bagagem de toda a família se resumia a apenas três sacos de aproximadamente cem litros. O navio, ou melhor, a rústica embarcação à vela era pequena e frágil e quanto mais leve mais fácil chegaria ao destino. Era de propriedade de um pescador grego que quando soube do intenso fluxo imigratório entre os dois países não perdeu a oportunidade de arrecadar algum dinheiro, trocou temporariamente a pesca pelo transporte de cidadãos Italianos com medo das invasões bárbaras. A embarcação comportava no máximo, cinquenta pessoas, e destas, trinta e sete eram membros da família, alguns por parte de Cira, esposa de Messias, falecida no parto do caçula Atílio a vinte anos atrás.
    O grande dia amanheceu nublado e frio, todos ficaram temerosos, Jonas pensou em conversar com Mirko, o capitão da embarcação e adiar a viagem, mas como por volta das dez horas da manhã as nuvens se dissiparam e o sol apareceu radiante, ele desistiu de cancelar a viagem, reuniu a família em sua casa e pediu que todos juntos orassem para os Deuses que protegem os mares, os acompanhassem, trazendo ondas tranquilas e tempo firme durante a viagem.
    A partida estava marcada para as duas horas da tarde. Logo após as orações, Jonas pediu que seus quatro irmãos o acompanhassem até o quarto onde seu pai ocupava com Alice. Assim que abriu a porta, um forte cheiro de incenso se fez presente, Josias, Atílio, Alberto e Rubens entraram respeitosos. Jonas fechou a porta, dizendo:
    – Irmãos, eu pedi que vocês viessem até aqui porque precisamos reverenciar a memória de papai.
    Atílio completou:
    – E também aos outros membros da família que se foram.
    – Você tem razão meu irmão.
    Respondeu Jonas, prosseguindo:
    – Mas o que eu quero mesmo é dizer que papai está conosco aqui e agora. Precisamos orar por ele.
    Os irmãos se entreolharam receosos, o máximo que sabiam é que os mortos ficam dormindo em um lugar secreto que nunca se descobriu onde é, a vida física se findando acabou-se a possibilidade de aproximar-se do ente que partiu.
    – Irmão, que conversa é essa?
    Perguntou Rubens rispidamente.
    Jonas contrafeito respondeu:
    – Eu não sei o que está acontecendo, mas agora, neste momento estou vendo claramente papai sorrindo sentado na cabeceira da cama.
    Todos ao mesmo tempo, dirigiram os olhares para o local indicado. Atílio e Alberto disseram em coro:
    – Não vejo nada!
    Rubens, cada vez mais alterado, falou:
    – Você deve estar sob o efeito de alguma planta alucinógena. Precisa descansar antes de partirmos.
    – Acho que é a expectativa da viagem que está mexendo com sua sanidade mental, completou Josias.
    Jonas, sem saber como prosseguir afirmando o que via, pediu apenas que seus irmãos fizessem uma oração e esquecessem o assunto, pois, com certeza, ele estava sob efeito de muita pressão e isto tinha mexido com seus nervos.
    Após orarem respeitosamente, os irmãos acenderam mais incensos de mirra e saíram do aposento um a um; menos Jonas, que ao se ver sozinho fechou a porta, com receio de olhar para a cabeceira da cama, ficou de costas para ela e disse:
    – Papai vá embora, eu sei que estou perfeitamente bem. Você está aí sim. Não sei por que só eu posso vê-lo e nem quero saber. Vamos partir daqui a pouco e nada fará com que eu mude de ideia. Nem se voltar do local para onde foi depois que morreu e me pedir.
    Após pronunciar estas palavras, Jonas ouviu claramente a voz de Messias, seu pai, que dizia:
    – Filho, vire-se que precisamos conversar.
    Neste momento, Jonas se sentiu apavorado, pois afinal era a voz de seu pai, seus pensamentos ficaram confusos e se sentiu desfalecer, suas pernas tremiam e já não sustentava o corpo avantajado. Caiu, batendo suas costas na mesinha que ficava ao lado da cama. Ao ouvirem o barulho todos correram para o quarto e encontraram Jonas caído no chão. Desmaiado.
    – Como isto pode acontecer!
    Gritou Maila, tentando reanimá-lo, pois ele se mantinha imóvel parecendo não ouvi-la.
    Rubens e Alberto ajudados por Atílio, o colocaram na cama de Messias. O que se seguiu foi um desenrolar de lamentações, ninguém sabia o que fazer. Faltava apenas três horas para a embarcação partir e ninguém iria se Jonas não pudesse ir, afinal ele era o líder da família Massina.
    Aos poucos ele foi voltando a si, ficando ciente da gravidade da queda pois sentia todo o corpo formigando e as pernas não se moviam.
    – Meu Deus, será que vou ficar paralítico?
    Foi a primeira coisa que pensou.
    Jonas filho, de seis anos, ao lado da cabeceira do pai, disse pesaroso.
    – Papai, você precisa se levantar daí porque senão nós vamos para Grécia sem você.
    Ao ouvir tal afirmação, Jonas pai, replicou:
    – Saiam todos daqui, quero ficar sozinho. E você filho, não se preocupe, papai também vai com vocês.
    – Agora saiam! Você também Maila!
    Disse em tom autoritário.
    Assim que a porta se fechou, Jonas olhou para cabeceira da cama, dizendo:
    – Papai, agora quem quer conversar com você sou eu. Por favor apareça.
    Após alguns segundos, a figura sorridente do pai apareceu no mesmo local onde estava anteriormente, olhou para seu filho, e disse:
    – Jonas, não sabia que era tão medroso, eu só queria me despedir de você. Não precisava desmaiar desta maneira, você quase pois tudo a perder.
    – Papai, eu vou ficar paralítico?
    Foi a única coisa que lhe veio à mente naquele momento.
    Messias com ar de diversão disse:
   – Claro que não, amanhã estará apenas com uma dorzinha nas costas. Prosseguiu dizendo:
    – O que eu queria te dizer antes de sua queda era que jamais acredite que a morte corta todos os vínculos com a vida que acabou. Isto não é verdade, tanto é, que estou aqui agora, conversando com você, como nos velhos tempos. A espada dos bárbaros não foi capaz de me afastar de vocês.
      – Mas pai, como isto é possível? Perguntou Jonas.
    – Filho, isto é possível porque quem cuida de tudo e de todos é um Deus bondoso e amigo. Ele não pede nada em troca, apenas diz que é o amor o sentimento que remove montanhas.
    – Portanto, prosseguiu Messias, jamais se deixe levar pelas aparentes dificuldades que se avizinham. Ore pelo Deus amigo e caridoso que permitiu que seu pai, mesmo depois de morto, conversasse com você. Peça com amor que ele lhe ouvirá.
    Neste momento, Jonas ouviu um tilintar de sinos e diante dele apareceu Alice, sua irmã mais velha e Cira sua mãe. Os três acenaram as mãos e desapareceram. Jonas ficou como que hipnotizado com aquela cena, demorou alguns minutos para que se recobrasse.

continuação…

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s